Notícias

19/05/2017

Acordo com universidade francesa beneficia alunos de graduação da UEM

Acadêmicos de graduação dos cursos de Agronomia, Zootecnia e Engenharia de Alimentos da Universidade Estadual de Maringá (UEM) poderão ser contemplados com bolsas de estudos a partir de um convênio assinado entre a UEM e a École d´Ingénieurs de Purpan (EIP), localizada em Toulouse, segunda maior cidade universitária na França. O acordo é válido por dois anos e prorrogável por igual período.

A proposta foi aprovada pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), que irá financiar as bolsas. A meta, segundo o coordenador do projeto no Brasil, Ferenc Istvan Bánkuti, é que a cada ano dois alunos da UEM sejam encaminhados à EIP, para um ou dois semestres de atividades acadêmicas. Do mesmo modo, alunos da instituição francesa virão a Maringá pelo programa de cooperação universitária.

Para a UEM será uma experiência importante e uma oportunidade de desenvolver melhorias na formação de alunos dos três cursos envolvidos e, consequentemente, avançar nas pesquisas com multidisciplinaridade. Isso porque a Escola de Engenheiros de Purpan é uma das mais conceituadas no mundo, reconhecida como grande formadora de profissionais com perfil multidisciplinar e sistêmico em ciências agrícolas e agroalimentares.

Bánkuti, que é professor do Departamento de Zootecnia da UEM, destaca que o termo de convênio envolve equipes das áreas de economia e gestão, ciências agrárias e engenharia de alimentos, nos dois países. “A ideia é desenvolver estudos sobre o desenvolvimento de produtos e valorização em sistemas agroalimentares”, lembra o coordenador.

A cadeia produtiva do leite no Paraná e a produção de queijos artesanais no Paraná constituem o foco inicial dos trabalhos. Outras cadeias produtivas, como a do café e a da carne bovina, podem ser incluídas. “Considerando a importância social e econômica do pequeno produtor rural de base familiar no Paraná, também esperamos que esse acordo resulte em alternativas à produção especializada e em larga escala, contribuindo para o aumento de renda do produtor, fomentando ainda a economia do estado”, opina o coordenador.

Cinco propostas -

Vale destacar que apenas cinco propostas foram aprovadas no âmbito do programa Brafagri, colocando a UEM mais uma vez em destaque e demonstrando também a excelência da universidade no setor das Ciências Agrárias.

A Esalq (Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz") teve três projetos selecinados e a Universidade de Campinas, junto com a Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho", um projeto.

A professora Sandra Mara Schiavi Bankuti afirma que a infraestrutura e experiência da UEM em receber alunos estrangeiros em intercâmbio, associada aos projetos de pesquisa envolvendo a EIP foram relevantes para aprovação da proposta pela Capes referente ao programa Brafagri.

A Universidade mantém um amplo convênio de cooperação firmado com a Escola de Purpan, cuja executora é a professora Sandra Bankuti. Em vigor deste 2012, o acordo abrange o desenvolvimento de atividades de pesquisa conjunta que já resultaram em missões de trabalho, intercâmbio de alunos de pós-graduação e a co-orientação de teses e dissertações, dos dois lados, além da publicação de trabalhos de pesquisas em eventos científicos e periódicos.

Dupla diplomação -

Julio Damasceno, atual vice-reitor da UEM e professor do Departamento de Zootecnia, reforça que a parceria entre a UEM e a universidade francesa foi decisiva para o novo acordo. Além disso, o estreitamento das relações abre novas perspectivas, segundo o vice-reitor.

Damasceno refere-se ao acordo de dupla diplomação que é de interesse mútuo e está entre as metas do projeto. “Nosso o anseio é de que a dupla diplomação seja estabelecida daqui a seis ou oito anos”, anuncia o vice-reitor.

Atualmente a universidade de Purpan já possui acordo de dupla diplomação com a Esalq.

Requisitos e inscrições -

Além de subsidiar bolsas mensais no valor de 870 euros para os acadêmicos selecionados, a Capes também garantirá outros benefícios como seguro saúde e auxílio deslocamento.

Somando os valores das bolsas de estudo e o custeio das missões de professores à França, o acordo prevê  R$ 500 mil, em recursos da Capes. 
Nas instituições francesa e brasileira, os alunos selecionados optarão por um conjunto de disciplinas que pretendem cursar, recebendo certificado após a conclusão das mesmas. Além disso, os alunos em missão de estudo poderão realizar estágios em laboratórios, grupos de pesquisa e empresas conveniadas.

Para participar da seleção, os graduandos de Agronomia, Zootecnia e Engenharia de Alimentos devem comprovar proficiência na língua e ainda ter integralizado no mínimo 40% e no máximo 80% do currículo do curso. Os demais requisitos estão estabelecidos no edital de seleção. O prazo de inscrição vai até 12 de junho.
Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.