Cursos da área de saúde da UEL atendem população de Londrina e Cambé
18/11/2019 - 09:48

Cerca de 200 estudantes, do 1º ano, dos cursos de Enfermagem, Farmácia e Medicina, do Centro de Ciências da Saúde (CCS), realizaram na quarta-feira (13) um dia de atividades de intervenção em localidades de Londrina e Cambé. As ações são implementadas ao logo do ano em localidades de 14 Unidades Básicas de Saúde (UBS). Elas fazem parte do módulo "Práticas Interdisciplinares e Interação Ensino, Serviço e Comunidade I", chamado de PIN I.

São 14 grupos interdisciplinares, compostos por 15 pessoas cada. Orientados por professores tutores, do CCS, os alunos visitam famílias pertencentes às comunidades que participam desde o começo do Módulo, e conhecem as necessidades e demandas da população atendida. Como explica a coordenadora do Módulo, Sarah Meirelles Félix, professora do Departamento de Saúde Coletiva, do CCS, durante as últimas três semanas foram realizadas atividades de intervenção em praças das cidades, escolas, igrejas, associação de moradores, grupos de idosos, na casa das famílias visitadas e na própria UBS, com os trabalhadores.

A professora cita alguns exemplos de atividades realizadas também nos últimos encontros: visita em escola para ensinar higiene pessoal para adolescentes, aula para ensinar crianças a utilizar os serviços do SAMU, entre outras ações. Ela explica que o objetivo é investir na formação do estudante da UEL a partir da perspectiva da relação entre ensino, serviço e comunidade. "Como futuro profissional da saúde, ele precisa entender que saúde é muito mais do que um aspecto biológico. O território é um espaço determinante para a pessoa ter saúde ou ter doença", afirma. São atendidas as comunidades próximas a 11 UBSs de Londrina e três de Cambé.

Experiência - Com orientação de professores tutores, os alunos fazem encontros no CCS. O objetivo é discutir os conteúdos teóricos, e, na semana seguinte, partir para ações práticas junto as Unidades e respectivas famílias da comunidade. Depois, o próximo passo é o planejamento e definição das formas de intervenções que serão adotadas. "É uma forma de colocar em prática os conteúdos de promoção, prevenção e educação em saúde que eles estudam", afirma a professora.

O estudante do curso de Medicina, Erick Gondim Oliveira, foi um dos que participou da atividade de higiene pessoal com alunos do 7º ano da Escola Estadual Antônio Moraes de Barros, localizada nas proximidades da UBS Bandeirantes, em Londrina. Ele conta que primeiro, a equipe abordou noções básicas de higiene, depois foram indicadas doenças causadas como resultado da falta de higiene. Segundo ele, também fez parte da ação uma conversa sobre higiene íntima, com grupos divididos entre meninos e meninas, além da lavagem correta das mãos e escovar os dentes. "A mão é um dos veículos de maior transmissão de doença. E a boca é a via de contaminação, onde muitas das doenças entram", explica o estudante.

Erick Oliveira diz que a experiência foi boa e válida, principalmente porque atendeu crianças com vários tipos de necessidades na área de saúde. "O PIN proporcionou isso para gente, ter uma nova visão, até mais ampliada, das realidades que a gente tem na cidade e no país como um todo". O jovem revela ainda que pretende escolher a Pediatria como área de atuação.

Outro grupo atendeu a população de Cambé, na UBS Novo Bandeirantes, em ação coordenada pela professora Mariana Haddad Rodrigues, do Departamento de Saúde Coletiva. Ela conta que os estudantes identificaram naquela comunidade pessoas com mais de 40 anos com hipertensão, diabetes, além de altos índices de Infecção Sexualmente Transmissível (IST). A partir do diagnóstico preliminar, três intervenções foram planejadas para retirar os pacientes da rotina: atividade física e alongamento, jogos de perguntas sobre IST e degustação de um bolo saudável, com banana e cenoura, dois ingredientes considerados de baixo custo.

A tutora Mariana conta que foram escolhidas ações simples, acessíveis a todos e que podem ser feitas em casa, inclusive em relação ao cuidado com as ISTs. No que diz respeito à participação dos alunos, ela afirma que este é um dos primeiros contatos que os futuros profissionais têm com os pacientes e fica claro que eles demonstram "empatia e acolhimento".

Como ela acompanha os estudantes diretamente nas atividades, afirma que esta relação ensino, serviço e comunidade só se fortalece cada vez mais. "Na interação, os alunos aprendem enquanto futuros profissionais, o pessoal que trabalha da UBS recebe um ânimo dos alunos e a comunidade tem a ganhar com essa atuação em conjunto", defende.

Em Londrina, as UBSs em que os estudantes atuam são: Cabo Frio, Jardim do Sol, Jardim Piza, Ernani, Lindóia, Bandeirantes, Ouro Branco, Pind, CSU, Vila Brasil e Guanabara. Em Cambé, são as Unidades Básicas do Ana Rosa, Clínica Novo Bandeirantes e Novo Bandeirantes.

Integração - O Módulo conta com a participação de 16 professores que atuam como tutores dos alunos. Do CCS, estão envolvidos professores dos Departamentos de Saúde Coletiva, Departamento de Enfermagem e Departamento de Patologia, Análises Clínicas e Toxicológicas; do Centro de Ciências Biológicas (CCB), os Departamentos de Ciências Patológicas e Departamento de Microbiologia; além disso, o Centro de Letras e Ciências Humanas (CCH) apoia as atividades por meio dos Departamentos de Ciências Sociais e Departamento de Filosofia.

O encerramento das atividades do módulo está marcado para 11 de dezembro. Para o próximo ano, com o início do curso de Nutrição, mais 40 estudantes também irão atender a população.

Resultados - Depois da intervenção, estudantes e tutores participam do 19º Simpósio de Experiências e Pesquisas Integradas ensino, serviços e comunidade e da 11ª Mostra Científica do CCS. Com o tema Saúde e Democracia, os eventos serão realizados de 27 e 29 de novembro, no próprio CCS. Os estudantes devem produzir resumo científico e apresentar de forma oral. Informações sobre os eventos no endereço .