Com padrão internacional, universidades estaduais avançam em conceito da Capes
04/01/2023 - 15:40

Confira o áudio desta notícia

Os programas e cursos de pós-graduação das sete universidades estaduais do Paraná avançaram no conceito de qualidade, de acordo com os novos resultados da Avaliação Quadrienal organizada pela Coordenação de Aperfeiçoamento do Pessoal do Ensino Superior (Capes). Ao todo, 13 cursos avaliados em relação ao período de 2017 a 2020 tiveram desempenho considerado de alto padrão internacional.

As comissões responsáveis pela avaliação emitem pareceres e notas (conceitos) expressos numa escala de 1 a 7. Em comparação com a última avaliação, realizada em 2017, os cursos e programas das universidades estaduais paranaenses conquistaram melhor eficiência. Quatro cursos foram classificados com conceito 7, que equivale a excelência acadêmica e padrão internacional, três a mais do que na edição anterior. Sete programas haviam conquistado nota 6 e agora nove conquistaram a mesma nota.

Os conceitos 7 e 6 expressam excelência internacional; 5 e 4 são considerados muito bom e bom; 3 é regular; e 2 e 1 implicam no descredenciamento dos cursos.

“O resultado desta avaliação da Capes evidencia o crescimento da maturidade acadêmica das universidades estaduais. É um processo histórico e a dedicação faz com que as instituições possam continuar crescendo em qualidade”, avalia o secretário de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Aldo Nelson Bona, que destaca o compromisso governamental com a qualidade do ensino e da pesquisa científica..

NOTA MÁXIMA - A Universidade Estadual de Londrina (UEL) teve três cursos com nota máxima. Os programas de pós-graduação em Ciência Animal e em Patologia Experimental passaram a contar com o conceito 7, e o Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Educação Matemática manteve a nota 7 da edição anterior.

A Universidade Estadual de Maringá (UEM) conquistou o conceito máximo pela primeira vez com o programa de pós-graduação em Ecologia de Ambientes Aquáticos Continentais (PEA).

O número de programas com conceito muito bom também subiu de 25 para 39. Foram 80 cursos com nota 4, 19 a mais em comparação com a avaliação anterior. Com classificação 3, o número diminuiu de 44 para 35. Em 2017, três cursos tiveram a nota 2. Nenhuma universidade estadual do Paraná teve programas avaliados com notas 1 ou 2 na atual pesquisa. Confira a classificação de todos os programas AQUI .

MAIS ALUNOS - O número de programas de pós-graduação das universidades estaduais paranaenses aumentou de 139 para 167 no período avaliado, com 9 mil alunos em cursos de mestrado e doutorado.

A pesquisa da Capes abrange 4.512 programas de pós-graduação stricto sensu (mestrado e doutorado) em todo o Brasil. Em nível nacional, a avaliação registrou o crescimento de 37% no número de programas considerados no nível de excelência acadêmica, passando de 490 para 671.

INICIATIVAS – As instituições de ensino superior paranaenses receberam o aporte de R$ 11 bilhões nos últimos quatro anos. “O bom desempenho das universidades é resultado das políticas de investimento. Foi ampliado o financiamento dos programas de pós-graduação, o que repercute positivamente na produção científica e tecnológica do Paraná”, explica o secretário Aldo Bona.

Outra ação que contribui para o incentivo à pesquisa foi o reajuste de 25% das bolsas para pesquisadores, professores, estudantes e profissionais recém-formados. O Paraná possui uma rede de instituições estaduais de ensino superior com sete universidades, cerca de 95 mil estudantes e 7.685 professores.

CLASSIFICAÇÃO – A classificação da Capes é feita por meio de comissões formadas por 1.808 consultores especialistas, que avaliam os programas de pós-graduação com base em informações anuais públicas e transparentes, registradas pelas pró-reitorias de pós-graduação na plataforma do Sistema Nacional de Pós-Graduação (SNPG). Os critérios e indicadores utilizados contemplam a qualidade da produção científica, a qualificação de professores e a inserção social dos programas de pós-graduação.

A avaliação dos programas é importante para o direcionamento de políticas de financiamento, como a distribuição de bolsas e verbas de custeio, e para os estudantes, na escolha dos cursos de mestrado e doutorado.

GALERIA DE IMAGENS